ÚLTIMAS NOTÍCIAS

 


Comitê da OIT quer que governo reveja itens da nova lei trabalhista./v02/detalhe_no


Convenções e acordos coletivos devem estabelecer condições de trabalho melhores que as previstas em lei, lembram peritos. Entidades sindicais afirmam que no Brasil ocorre o contrário.

Para a OIT, legislação precisa ser compatível com as convenções internacionais que tratam do direito à negociação

São Paulo – Em vigor desde 11 de novembro, a Lei 13.467, de "reforma" da legislação trabalhista, é vista com preocupação pelo Comitê de Peritos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que em relatório solicitou ao governo brasileiro a revisão de alguns itens e uma "resposta detalhada". Um dos itens citados é o que trata de prevalência de acordos coletivos sobre a lei, previsto no Artigo 611.

No relatório, o Comitê lembra que o objetivo das convenções 98 e 154 da OIT é promover a negociação coletiva com a ideia que os acordos devem estabelecer condições de trabalho  mais favoráveis do que aquelas estabelecidas pela legislação. As entidades sindicais brasileiras argumentam que aqui ocorre exatamente o contrário: a mudança imposta pelo governo vai reduzir direitos e fragilizar as representações dos trabalhadores. Assim, a OIT pede que a lei seja compatível com o que determinam as convenções.

"Esperamos que não só o governo, que deverá responder pelas vias diplomáticas adequadas, mas também os atores do sistema judicial, em particular o Poder Judiciário, estejam atentos à diretriz expressa do Comitê de Peritos, pois não é possível interpretar a legislação ordinária em contrariedade ao que estabelecem convenções internacionais ratificadas pelo Brasil", afirma o procurador Thiago Gurjão Alves, assessor internacional do Ministério Público do Trabalho (MPT).

O secretário de Relações Internacionais da CUT, Antonio Lisboa, lembra que a "reforma" trabalhista vem sendo questionada dentro e fora do país. "A análise dos peritos da OIT deste ano foi justamente resultado dessas intervenções e questionamentos feitos", observa. "A prioridade agora será colocar o Brasil novamente na lista de casos de violações graves às convenções da OIT que são analisadas todo ano na Conferência", acrescenta, referindo-se à conferência internacional da entidade, marcada para 28 de maio a 8 de junho, em Genebra, sede da organização.

O Comitê de Peritos (Committee of Experts) tem 20 integrantes, que se reúnem periodicamente, no final do ano, para avaliar a aplicação das convenções da OIT e fazer recomendações aos governos. Na atual composição está o brasileiro Lelio Bentes Corrêa, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Em manifestação ao colegiado, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), em grande inspiradora da lei, diz que houve "um amplo processo de discussão e os principais atores sociais puderam ser ouvidos pelo Parlament

Fonte: Rede Brasil Atual

     

 
 
 
 

 

 
 
FACEBOOK



     
 
ARTIGOS RECENTES

     
  No Maranhão, aposentados e pensionistas sob ameaça
Odívio Rezende Neto

Nas últimas semanas, a população maranhense vem tomando... Leia Mais

   
     
  AS AUTARQUIAS E SEU PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Dallas dos Santos Ribeiro
Leia Mais
   
     
  Você é um depreciador?
Mundo Psicólogos

A convivência com pessoas no entorno familiar, social ou laboral... Leia Mais

   
 

 
SOBRE O SINFA DIRETORIA NOTICIAS AREA DO FILIADO
ESTATUTO LEGISLAÇÃO ARTIGOS FALE CONOSCO
FILIAÇÃO CONVÊNIOS    

©2016 | SINFA - SINDICATO DOS SERVIDORES DA FISCALIZAÇÃO AGROPECUARIA DO ESTADO DO MARANHÃO
DESENVOLVIDO POR: WEBAG - AGÊNCIA DE WEBDESIGN